(Fechar X)
Promoção Produtos Importados Br
Projeto Pornô
Publicidade1
Projeto Pornô
   
Comprar Produtos Adultos Importados (Embalagem Discreta)
Home
Vídeos
Fotos
Artigos
Contos Eróticos
Anuncie Anuncie
Parceria Parceria
Home   

Contos Eróticos

  

Casual

Contos Eróticos  

ME COMERAM DENTRO DO ÔNIBUS PARA O PARAGUAI

  Tamanho da Fonte:
Diminui Tamanho Fonte -    Aumenta Tamanho Fonte+
Imprimir Imprimir

Sou casada, trinta e poucos anos, morena, cabelos lisos e adoro sexo. Apesar de manter a aparência de dona de casa respeitável, de vez em quando, acabo saindo com outros homens. O meu marido, nem desconfia. No começo, até tinha sentimento de culpa, porém, com o tempo, a gente acaba aceitando isso.

Eu queria comprar uma fritadeira ¨Air Frea¨, dessas que frita sem óleo. Os preços estavam bem salgados. Minha amiga tinha comprado a dela no Paraguai, pagando menos que a metade. Ela indicou uma sacoleira que trazia de lá.

Quando falei com a dita mulher, não gostei do preço que ela me deu. Por um pouco mais, eu compraria aqui, com todas as garantias. Como tinha visto anúncios de excursão ao Paraguai, resolvi ir lá, escolher eu mesma, além de comprar outras coisas. Meu enteado pediu para trazer um tablet e meu marido queria um GPS com anti-radar.

A viajem começaria à tarde, com chegada prevista ao amanhecer. O pessoal era na sua maioria gente que comprava para revender. Com excessão de duas famílias e um grupo de rapazes que se alojaram no fundo. Por ser ônibus leito, peguei uma poltrona individual, quase no meio e me preparei para dormir bastante.

Umas três horas depois, o ônibus deu uma parada para jantar. Desci, fui ao toalete, lanchei e quando embarcava, um rapaz puxou conversa comigo. Tinha pouco mais de vinte anos, alto, magro, moreno e com a barba rala, que dava um certo charme desleixado.

Eduardo era seu nome. Era da turma lá do fundo. Ficamos conversando sobre produtos que haviam lá no Paraguai. Sem ser convidado, ele sentou no braço da poltrona e pouco a pouco, o assunto foi ficando mais pessoal. Disse que trabalhava com som para DJ e ia comprar algumas parafernálias que nem guardei o nome.

Era noivo e mesmo depois de saber que eu era casada, ficou se insinuando para um romance, jogando elogios para minha beleza, que era louco por maduras e cada vez mais ousado. Para não incomodar os outros, conversávamos falando baixo, ao pé da orelha.

Gostei dele e quando sua mão passou a acariciar meu braço, passei a retribuir esses carinhos. Nem me dei conta que estava agindo como uma mulher fácil, louca para se atirar nos braços do primeiro homem. De repente, ele beijou a orelha, me deixando toda arrepiada.

Edu já se jogava em cima de mim e eu preocupada, olhando toda hora para os lados, incomodada que alguém estivesse nos observando. Ele percebeu isso e falou:

- Vamos prum lugar mais tranquilo? Espera um aí...

Foi para o fundo do ônibus e logo voltou com um outro rapaz. Era um garoto bem jovem, moleque ainda. Da minha altura, atarracado e com o rosto redondo. Me apresentou como Fernando, seu primo. Me fez levantar da poltrona, onde o Fernando se acomodou.

Fomos para o fundo do ônibus, no ultimo banco, ao lado do toalete. O danado tinha convencido o primo a trocar de lugar comigo. Mal sentamos, ele já veio para o ataque, dando um beijo gostoso. Suas mãos já vieram em meus seios. A boca desceu para o pescoço, o colo.

- Calma aí, devagar!

Sussurei sem ser atendida. Quanto atrevimento! Uma mão já veio por baixo da saia, apalpando minha coxa pela parte de dentro. Como estava há mais de uma semana sem transar, o melzinho veio fácil, umedecendo a xana. Fui deixando ele agir, impotente para esboçar qualquer reação.

Deitou os bancos, abaixou a calça e a cueca. Pegou minha mão e levou-a até seu pênis endurecido:

- Ó, dá uma olhada como eu estou! Estou louco de tesão, gostosa! Dá uma chupada nele, vai!

Nosso diálogo era todo sussurado, para que ninguém ouvisse. Com a mão na minha nuca, puxou a cabeça perto do seu quadril, aproximando meus lábios da piroca. Quando abocanhei sua linguiça, Edu pegou a manta de cobriu minha cabeça. Comecei a fazer um boquete, enquanto que com a mão direita, acariciava seu falo, numa masturbação leve.

Seu dote era igual ao do meu marido e quando eu engolia tudo, quase cabia por inteiro dentro da minha boca. Ele mexia o quadril como dava, tentando penetrar mais fundo na minha boca. Essas estocadas me fazia engasgar, quando tocava o fundo da minha garganta.

Percebendo que ele poderia gozar, parei e me descobrí da manta.

Excitada, queria ele dentro de mim e perguntei:

- Você tem camisinha?

- Puta merda, não tenho não! Olha, podemos fazer sem?

- Não! Sem camisinha não!

- Deixa amor, vai, eu sei que você também quer. Não vai ter treta não, tá legal?

Continuei negando, pensando em ficar só nos amassos. E ele insistindo, beijando meus seios, bolinando meu clitórias sem parar. Deixando a precaução de lado e como a vontade era tanta, acabei concordando:

- Tudo bem, mas, na hora de gozar tira, tá bom?

- Pode deixar que eu gozo fora...

Dizendo isso, agachou na minha frente, puxou a calcinha, tirando-a e eu facilitando tudo. Pôs a mão na minha pepeca e ficou mais tarado ainda, falando:

- Puta que pariu, você já tá toda molhada mulher!

dando no busãoSubiu encima de mim, dando um jeito de tampar a bunda com a manta. Eu preocupada, de olho nos demais passageiros que pareciam dormir. Ele penetrou e começamos a copular. Sua piroca entrava e saía, causando aquele prazer delicioso. Algumas bombadas ficavam mais fortes, quando coincidia com os pulos que o ônibus dava com as saliências da estrada.
Tive um orgasmo intenso e logo depois, ele também, acelerou as socadas e saiu rápido de mim. O jato forte da sua porra esguichou no meu vertice, molhando os lábios da boceta e se espalhando pelas coxas. Senti na virilha o contato do seu pau úmido pulsando e soltando gala sem parar.

Nisso percebi na penumbra um vulto vindo pelo corredor. Empurrei Edu para o banco do lado, ajeitando a saia para baixo. Ele cobriu a barriga com a manta, enquanto virei para o lado da janela, fingindo dormir. O passageiro usou o toalete e mesmo com a luz batendo em nós, pareceu não perceber nada.

Levantei e fui ao banheiro me limpar. O sêmen grosso e grudento, tinha manchado minha saia. Molhei uma toalha de papel e esfreguei, limpando como deu. Fui para o meio do ônibus e destroquei de poltrona com Fernando, que foi para o fundo, sentar junto com Eduardo.

O ônibus ainda parou duas vezes até chegar em Cidade de Leste, fronteira com Foz do Iguaçú. Não desci em nenhuma dessas paradas. Os meninos desceram nas duas. Eduardo passou acenando com a mão. Já Fernando passou olhando intensamente para mim na primeira parada e na outra, parou ao lado da minha poltrona, como fosse dizer algo e depois seguiu.

Chegamos com tempo ruim. Uma chuva persistente incomodava. A cidadezinha paraguaia parecia um shopping center a céu aberto. Meio perdida na multidão, me socorri com informações de outros brasileiros para procurar o que buscava. E notei que onde eu ia, o Fernando estava por perto. Não demorou muito para o menino se aproximar e se oferecendo para ajudar, carregando minhas compras.

Quando já estava com uma caixa grande e sacolas cheias de bugigangas, fomos até onde o ônibus estava estacionado, para guardar os produtos no porta-malas. O ônibus estava vazio, só os dois motoristas dormiam no primeiro banco. Como já tinha gastado a cota e meio cansada de andar na chuva, resolvi descansar um pouco.

Fernando pelo jeito voltou às compras. Não demorou muito, voltou ao ônibus, trazendo duas latinhas de coca-cola. O garoto tinha ido comprar o refrigerante para mim. Tão solicito que na logo percebi que o rapazinho estava querendo algo comigo.

Na volta, ao embarcar, Edu passou por mim e disse:

- Meu primo está louco pra te foder. Você não quer dar pra ele? O bicho tem uma rola que você precisar ver!

Assim, na lata, como se eu fosse uma vadia qualquer. Aquilo me irritou:

- Que que é isso, Edu? Você tá pensando o que?

- Desculpe, Adelia. Não é isso. É que o Fernando sabe que transamos e ficou me enchendo o saco, dizendo que também queria, entende? Ele está louco pra dar uma. Olha, não fica chateada, tá? Não tá aqui quem falou, tá legal?

Logo depois que deixamos Foz, tivemos que passar por uma barreira da Receita Federal. Os fiscais mandaram todos descer e foram vistoriar o ônibus, além de mandar abrir a bagagem de alguns passageiros. Ainda bem que não foi a minha, se bem que minhas compras tinham excedido só um pouco o limite permitido.

Edu se aproximou falando:

- Olha, Adelia, desculpe insistir. Meu primo me encheu o saco pra falar de novo com você. Será que você não pode conversar com ele?

- Que saco, Edu! Já disse que não! Nem devia ter feito contigo! Se o moleque quer tanto, porque ele não vem, ele mesmo falar comigo? Saco!

- Já disse isso pro piá. Falei que você é casada, que não dá pra qualquer um, mas ele não se conforma. É que o Fernando nunca comeu uma mulher e está doidão, entende? Por favor, faz isso pra mim? Por favor...
Virgem! Então era isso. O garoto não era de se jogar fora. Foi bom transar com o ônibus em movimento, apesar de meio desconfortável. Foi arriscado e tivemos sorte de ninguém perceber. Os dois primos, com certeza estavam achando que eu era uma piranha, dessas que abre as pernas para qualquer um. Bem, eles até que não deixam de ter razão, pela forma que me comportei. Mas...

Mil pensamentos passaram pela minha cabeça. Por outro lado, ninguém no ônibus me conhecia. A quilômetros longe de casa. Numa longa e maçante viagem noturna de volta. Um moleque virgem babando para comer esta coroa. Porque não? Comecei a sentir aquele formigamento na bocetinha, a inquietação que a faz ficar úmida. Que anula a razão e me leva ao desejo proibido, ao pecado...

Na parada seguinte para jantar, ao embarcarmos, quando os dois passaram por mim, falei para o Edu:

- Tá bom. Vou conversar com seu primo, tá? Senta aqui que eu vou lá atrás falar com o Fernando.

Fui para o fundo do ônibus e apontei para a poltrona da janela, onde o Fernando estava sentado. Ele se levantou e eu me acomodei. E desta vez, fui eu que perguntei na bucha:

- É verdade que você nunca transou?

- É...

- E quer transar comigo?

- É...

- E porque?

- É...

- Fala, Fernando!

- É que, bem... você é muito gostosa.

- Só isso? Gostosa?

- É, você..., você deu pro Edu e eu também quero. Eu bati duas punhetas pensando...

Então o moleque tinha até se masturbado em minha homenagem. Porém, estava a viajem toda sem tomar banho, com a piriquita fedendo e isso me incomodava. Pensei num bom banho, todavia, antes disso, decidi dar para o menino. Olhei ao redor. Todos dormiam, cansados pelo dia cheio. Ergui a saia e tirei a calcinha.

O menino só observava maravilhado. Apalpei sua braguilha e constatei que ele estava com a ferramenta dura. E mesmo por cima da calça, deu para sentir que era de bom tamanho. Nem acabei de mandar ele abaixar as calças, o garoto o fez rapidamente, tirando a arma para fora. Pensei em fazer um boquete, mas, o forte cheiro de urina me fez desistir.

Com o banco abaixado, sentei bem na ponta da poltrona, abri as pernas, trouxe ele na minha frente e falei:


- Vem.

Fernando se acomodou mais do que depressa. Ergui as pernas enlaçando seu quadril e senti os pés batendo no encosto da poltrona da frente. Dobrei os joelhos, num frango assado incompleto. Ele já tinha encostado a caceta no meio das minhas coxas, dando estocadas lentas, sem acertar a entrada.

Ao pegar em sua vara para guiar na minha xana, vi que era grosso, muito grosso! Acho que o pênis mais grosso que eu já tinha pegado. O moleque era mesmo roludo. Acomodei a cabeçorra entre os lábios vaginais. Relaxei para recebê-lo dentro de mim, dizendo:

- Empurra! E olha, na hora de gozar, vê se tira, viu?

O garoto mandou ver, com fome, arregaçando minha xaninha. Não parou de empurrar, até ficar todo atochado e com a ponta bater no meu útero. Doeu um pouco e reclamei:

- Ái! Devagar!

A sensação de estar firmemente preenchida era deliciosa e meus sumos aumentaram. Fernando continuou metendo com mais cuidado, mas não demorou muito, aumentou o ritmo. Ele tremia de tesão e prazer. Deu mais umas socadas rápidas e se deixou cair sobre mim, segurando os gemidos.

Senti jatos mornos dentro de mim. Seu badalo profundamente enterrado na minha boceta latejava forte, esguichando gala sem parar, enchendo-a de porra. O moleque tinha gozado dentro de mim!

Tentei empurrá-lo falando:

- Merda! Você gozou dentro! Que merda!

Ele ainda tomado de emoção, a contragôsto, tirou o pau todo melado. Da minha xana brotava porra que escorria para fora. Me levantei e assim mesmo, nua do quadril para baixo, passei por cima dele e fui para o toalete, que por sorte estava ali ao lado. Ao abrir a porta, a luz do banheiro iluminou tudo lá atrás e eu nem me importei.

Sentei no vaso e fiz xixí, deixando a gala espessa e abundante cair no vaso. ¨Louca!¨, disse para mim mesma. Limpei como deu, gastando um monte de toalhas de papel. Só agora pensava nas consequencias de meu ato insano.

Quando sai do toalete, a luz iluminou o menino, que ainda estava com o pau de fora e mais notável, em ereção, firme, apontado para cima. De relance, pude ver o tamanho e a grossura do seu falo.
Mal sentei, o menino veio passando a mão, todo tarado. Ele queria furunfar de novo! Confusa, com a visão do seu membro duro e o fato de que eu não tivera orgasmo ainda, me fêz pensar que estava na chuva e já molhada. Que danasse o resto então!

Passei por cima dele, me acomodei de novo na poltrona da janela. Olhei novamente para outros passageiros e fiquei mais tranquila, constatando que todos dormiam. Puxei novamente Fernando para cima de mim e desta vez, entrou bem facil, já que eu estava bem lubrificada pelo meu melzinho e a porra que ele tinha enfiado até no fundo.

Estava difícil abafar os grunhidos roucos e sussurrados que tanto ele como eu soltávamos. Acabei tendo o meu orgasmo, logo seguido de outro. Ficamos ali transando um bocado de tempo. A certa altura, paramos um pouco, bem encaixados, meu ventre no dele.

Nessa altura, nem importava mais se ele gozou ou não, outra vez dentro de mim. Só busquei outros climax. Deixei que ele metesse até se saciar, o que parecia difícil. O menino não se cansava. Metia sem parar. E eu tendo vários orgasmos. Dar para o Fernando estava sendo bem melhor do que fora com seu primo.

Nem voltei para a minha poltrona. Dormimos ali mesmo, cansados, até chegar em nossa cidade. Quando eu estava acomodando minhas compras no táxi, Eduardo se aproximou e me deu seu telefone anotado num papel. Talvez eu ligue para ele.

Sim, vou ligar com certeza. Mas para fazer contato com seu primo Fernando. E dar o cuzinho para êle. Imagino o estrago que ele vai fazer, metendo horas sem parar. O garoto vai ser um bom bombeiro. Para usar sua mangueira e apagar o fogo de coroas insaciáveis como eu...

*************

Nota: Aos leitores peço desculpas pelo texto ter ficado tão longo. Como não gosto de ler contos em partes e ficar procurando continuação, tive de narrar tudo em relato único, da forma que aconteceu. Bjs.

Autor: Adelia
Fonte: casadoscontos.com.br
O patrão ficou maluco!
Cupom de desconto do novo parceiro do ProjetoPornô: P10D2AAP
Acesse www.produtosimportadosbr.com.br e aproveite o nosso desconto!


views 4215


tags:

casada 

infiel 

morena 

safada 

traição 

corno 

gulosa 

busão 

ônibus 

fantasia 

público 

boceta 




Novidades:




  Contos Eróticos Relacionados

Foi arriscado, uma loucura, mas não me arrependo!

Fiquei punhetando e chupando a cabeça, passando a lingua, puxei as calças dele pra baixo e chupei as...

views 4215

Ela disse ’Goza na minha boca!! Gozaa!!’

Coloquei ela de quatro e comecei a comer a bocetinha dela de novo e ela a se contorcer novamente...

views 2435

Agarrada com prazer

Ele gemia, me chamava de puta, ordinária, mas não parava de me chupar e beijar todinha, estava tão tarado como eu...

views 2901

A Inquilina me pagou o aluguel com a bunda!

Sua bunda estava engolindo meu caralho de uma forma voraz, o cu de Jéssica estava com meu pau cravado dentro...

views 3686

Encochada no trem que rendeu uma foda maravilhosa

Quando o trem brecava, ele empurrava ainda mais aquele membro contra minha bunda, e isso ia...

views 10276
 
 
Parceiros & Links Recomendados Recomendados!

1. 2. 3. 4. 5.
6. 7. 8. 9. 10.
11. 12. 13. 14. 15.
16. 17. 18. 19. 20.
21. 22. 23. 24. 25.
26. 27. 28. 29. 30.
31. 32. 33. 34. 35.
Videos De Putaria     KiNovinhas     http://www.rodiziodegatas.net/     CNN Sexo     xvideos porno     Novinha Tesuda

> Xvideos Pornos        > Só Putinhas        > Brasileiras Putas        > Mulheres a foder

> Comendo sua Mãe        > Gatas Quentes        > Portal da Putaria        VAZOU NO WHATSAPP


*ATENÇÃO: Clique aqui para entrar em contato conosco para denunciar um site acima que tenha conteúdo ilegal/malicioso ou contaminado!
> Clique Aqui e cadastre-se para se tornar um Parceiro do Projeto Pornô® <
 
 
    porno     pornô     videos porno     fotos eroticas     sexologia     contos eroticos     gostosas     novinhas

    amadora     xoxota     buceta     atriz porno famosa     sexo oral     bunda     traição     bundas

    xoxota     sexo oral     putaria     bucetas     porno    bucetinhas    contos eróticos
 
Violência Contra a Mulher: DENUNCIE! Todos Contra a Pedofilia!
Site Proibido Para Menores de 18 anos! Site Proibido Para
Menores de 18 anos!
Copyright © ProjetoPorno.com.br, Todos Direitos Reservados  -  Contato   Retirar Conteúdo
Melhor Visualizado na resolução: 1024 x 768 px.