(Fechar X)
Promoção Produtos Importados Br
Projeto Pornô
Publicidade1
Projeto Pornô
   
Comprar Produtos Adultos Importados (Embalagem Discreta)
Home
Vídeos
Fotos
Artigos
Contos Eróticos
Anuncie Anuncie
Parceria Parceria
Home   

Contos Eróticos

  

Teens

Contos Eróticos  

Aprendendo a ser gente grande

  Tamanho da Fonte:
Diminui Tamanho Fonte -    Aumenta Tamanho Fonte+
Imprimir Imprimir

Meu nome é Gisela, tenho hoje 22 anos e moro em São Paulo. Quando eu tinha 18 anos estudava em um colégio na zona norte e fiquei muito amiga de Maria Amélia (fictício); eu vivia na casa dela e ela na minha. Seus pais tinham um sitio no interior onde passávamos juntas as férias e muitos feriados prolongados, às vezes com outras colegas. Uma ocasião, minha amiga não estava bem de notas e ficou de recuperação. Acontece que havíamos programado passar 15 dias direto no sítio mas os pais dela decidiram que sítio, para ela, só depois das provas. Depois de muita discussão e muito barraco, ficou decidido que eu iria com o pai dela (que tinha compromissos no local) e ela ficaria com a mãe em casa, estudando para as provas, que seriam na semana seguinte. Esse era o máximo da concessão que os pais da minha amiga estavam dispostos a fazer. Se tudo desse certo, Maria Amélia se encontraria comigo na semana seguinte e torci para ela se dar bem nas provas.

No sítio, fiquei super à vontade, pois tinha um quarto só para mim e o pai da minha amiga era uma pessoa muito bacana comigo. No primeiro dia me levantei lá pelas 10 h, tomei banho, coloquei meu biquini, uma bermuda folgada, camiseta, havaianas e fui tomar café. ’Seu’ Jorge (fictício) estava na pequena sala que usava como escritório, mas parou o que estava fazendo e foi me acompanhar no café. Conversamos um pouco e ele voltou ao trabalho, combinando que me encontraria no almoço. Acabei meu café e fui para a piscina, o sol estava maravilhoso. Fiquei por ali, bem à vontade de biquini e, pensando hoje sobre aquele tempo, acho que ’seu’ Jorge deve ter me dado umas olhadas da janela do escritório porque, apesar da idade, eu já era uma mocinha bem bonitinha, baixinha, pele bem clarinha, cabelos curtos cor de mel, coxas grossas, bumbum cheio e arrebitado, seios pequenos mas bem formados. Almoçamos juntos, cada um fez um programa de tarde e voltamos a nos reunir no jantar. Conversamos um pouco depois e ’seu’ Jorge me disse que iria sair, que precisava resolver umas coisas na cidade e que voltaria tarde. Ele era mesmo um coroa legal, tinha uma barriga de puro chopp, um peito bem peludo e grisalho e um rosto bonito. Ele adorava cerveja e me oferecia de vez em quando com um ar de cumplicidade que eu adorava.

Fui dormir nesse dia por volta das 10 hs. Acordei com alguns barulhos estranhos mas estava muito sonada; mesmo assim levantei e fui ver o que era. Havia movimento no quarto do ’seu’ Jorge, mas o corredor estava escuro e pude me aproximar sem ser vista. Não acendi as luzes e fui em direção ao quarto dele. Havia luz e olhei então pela fresta da porta. ’Seu’ Jorge estava deitado na cama de barriga para cima e uma garota bem jovem o cavalgava com as mãos sobre seu peito. Fiquei paralisada de susto, um nó horrível na garganta, acho que de medo. Espiei outra vez e a garota naquela hora estava saindo de cima do pau dele; ela ficou de quatro e ’seu’ Jorge pegou-a por por trás. O pau dele era enorme, muito grande mesmo e muito grosso e ele se ajeitava para comer a menina por trás. Meu instinto me fez fugir dali, o medo de ser descoberta era insuportável. Fui para o quarto e a partir dessa hora tentei dormir mas não consegui. Aquilo era uma traição com a mulher dele e isso me indignava; ao mesmo tempo as cenas com aquele cacetão dele me excitavam, não me saiam da cabeça.

novinha punhetando tiozãoPela manhã estava mal disposta e fui tomar café. ’Seu’ Jorge não estava, já havia saído e eu não sabia para onde. Passei o dia com as cenas dele e da menina fermentando na minha cabeça. Não nos vimos no almoço mas nos encontramos para jantar. Eu já estava melhor e podia disfarçar o meu embaraço de haver penetrado na intimidade dele sem que ele soubesse. Nessa noite ele bebeu muito vinho, acho que umas duas garrafas e ficou meio que jogado no sofá, vendo televisão. Fiquei por ali também e, como ele estava com um shorts largo, arriscava de vez em quando um olhar para o pau dele, que me impressionara tanto no dia anterior. Deu meia hora e ele se despediu de mim e foi deitar. Fiquei ali na sala, meio frustada porque não conseguira ver nada pela perna do shorts. Quando desliguei a TV e fui me deitar, a porta do quarto dele estava escancarada, a luz de cabeceira acesa e ele largado sobre a cama vestido só de cuecas. A cena era hipnotizadora para mim: o peito bem cabeludo e aquele barrigão; e as cenas do dia anterior que não saíam da minha cabeça. Depois de alguns minutos, com o coração na boca, resolvi entrar no quarto. Se ele acordasse eu diria que estava lá p/ ver se ele estava bem, se a bebida não tinha feito mal, para apagar a luz, o que fosse. Fiquei ao lado da cama, olhando fixamente o volume do seu pau na cueca. Não sei quanto tempo fiquei ali mas de repente ’seu’ Jorge se mexeu na cama e eu fiquei paralisada de medo; dormindo pesado, ele ajeitou o pau, que começou a crescer. O safado estava sonhando, provavelmente com a menina do dia anterior. Vez ou outra ele alisava o bruto, que continuava crescendo, forçando a cueca. Até que uma hora ele afastou o elástico da perna e soltou o aquele cacetão. Que fantástico! Um cabeção grosso, o pau latajava. Eu já havia dado umas pegadinhas no pau de um colega da escola, mas eu nunca tinha visto uma pica assim. Deu uma vontade tremenda de pegar nele mas não tinha coragem. Saí de fininho e fui ao meu quarto. Deitei e fiquei imaginando que ele acordava e vinha me olhar também. Fiquei de bruços, ajeitei minha calcinha bem no reguinho, levantei a camiseta, deixando minha bundinha à mostra, e fiquei em transe quase gozando. Deu algum tempo e ouvi barulho; ’seu’ Jorge estava se levantando. Fiquei imóvel, quase não respirava, mantendo a posição em que estava. Ele veio até à porta do meu quarto e ficou um tempão ali me olhando. Depois tirou seu pau para fora e o acariciou. Meio de lado, cabeça entre os braços, eu via seus movimentos. Ele tocou uma punheta bem devagar me olhando e gozou na mão, para não deixar cair a porra no chão. Saiu, foi se limpar e voltou com um pano, limpando o chão em que havia caído um pouco da porra que aquele caralhão produzira. Depois voltou ao seu quarto e apagou as luzes. O silêncio voltou, exceto pelo meu coração, que estava aos pulos. Esperei um pouco, me levantei e fui dar uma espiada. Estava muito escuro e voltei para a cama. Não conseguia dormir, a cena da punheta naquele pauzão não me saía da cabeça e eu estava em fogo. Bastante tempo se passou, não lembro quanto. Senti então que a luz fora acesa e percebi que seu Jorge veio até à minha porta. Ele aguardou um pouco e me chamou pelo nome; eu virei o rosto e respondi. Vestido apenas com o shorts, o barrigão de fora, ele entrou no quarto e sentou na minha cama. Ficou algum tempo em silêncio e perguntou se estava tudo bem; eu disse que sim, que estava um pouco quente e que eu havia acordado e estava difícil pegar no sono novamente. Ele disse que também estava sem sono; perguntou se podia ficar por ali um pouco; parecia que ainda estava um pouco alto da bebida mas eu o tratava normalmente. Enquanto falávamos abobrinhas, ele ficava passando a mão no meu cabelo e pude ver que ela estava sem cueca e que seu pau estava duro, forçando o shorts. Apesar do estar escuro no quarto, vez por outra eu o via levar a mão disfarçadamente até ao pau e dar uma segurada nele. Ele devia estar morrendo de tesão, assim como eu estava. Me virei de lado para conversarmos melhor e ele podia ver meus peitinhos quase saindo p/ fora da camiseta larga. De repente ele perguntou se eu não estava um pouco tensa e se eu queria uma massagem nas costas para relaxar e dormir. Disse isso, me virou de bruços e, se ajeitando melhor, começou uma massagem em minhas costas por cima da camiseta. Fiquei com o rosto de lado e, como ele estava sentado na cama com a perna dobrada, eu tinha um visão do seu pau duro pela perna do shorts. Quando ele se ajeitou melhor pude ver a cabeça grossa do seu pau saindo do shorts e não resisti: a pretexto de me ajeitar melhor deixei o braço sobre sua perna, encostando no seu pau. Ele passou a se movimentar e a tentar que seu pau, disfarçadamente, saísse mais para fora do shorts. Eu tinha certeza que ele queria mas não tinha coragem de tomar a iniciativa e aguardava que eu desse o primeiro passo. Eu esperava que ele desse esse passo. Então ele se virou um pouco mais e me deu um beijo na cabeça; nesse momento seu pau alisou meu braço, eu não resisti e passei a mão. ’Seu’ Jorge me virou de frente, suspendeu minha cabeça e me deu um beijo de lingua que me deixou sem folego. Perguntou, sorrindo, se eu queria brincar com ele e foi tirando o pau todo p/ fora. Pegou minha mão e levou até ele. Segurei firme e fiquei olhando e mexendo bem devagar. Ele aproveitou e passou a mão nas minhas tetinhas e na minha boceta. Tentei fechar as pernas mas ele as abriu, colocou a calcinha de ladinho e me alisou bem gostoso. Ficamos assim ali, um tempo, ele alisando a minha xaninha e eu segurando firme no pauzão dele. Então ele se levantou e, me pegando pela mão, me pôs de pé na sua frente, tirou minha camiseta, se abaixou um pouco e chupou meu peitinhos alternadamente. Eu estava em fogo, faria o que ele me dissesse para fazer. Logo ele se levantou, me abraçou forte e seu pau deslizou entre minhas pernas. Ele começou a me encoxar e pegou a minha mão esquerda e me fez segurar seu pau, pedindo para bater uma punheta em minhas coxas. Eu estava doida e comecei a me esfregar naquele caralho enquanto batia uma punheta e olhava para baixo, fascinada, e via aquele pauzão na minha mão que mal se fechava de tão grosso. Eu queria ve-lo gozar nas minhas pernas e não demorou muito recebi um jato forte, seguido de muitos outros. Ele tinha um gozo abundante e me melou toda. O safado gemeu gostoso e quando terminamos foi até o banheiro e trouxe papel higienico, me limpou e limpou o chão e disse que agora eu deveria dormir. Me deitou na cama, me deu um beijinho e saiu.

Não consegui ficar muito tempo sozinha e fui até seu quarto. Ele estava largado na cama, pelado; eu me sentei na beira e peguei de leve no seu pau. Comecei a punhetá-lo novamente, enquanto ele gemia e aquele monstro crescia em minha mão. Não resisti, me abaixei e passei a língua no pauzão, queria sentir o seu gostinho, fazer que nem a garota da noite anterior. Coloquei ele na boca e mamei até ficar bem duro; punhetava e chupava, queria foder. Estava tão alucinada que chequei até a machucá-lo. Então me puxei para cima dele e fiquei esfregando a minha bocetinha no seu pau e beijando seu peito peludo, os peitinhos dele, beijando sua boca e pegando no seu pau. Ele passava a mão na minha bunda e por traz procurava o buraquinho da minha bocetinha e as vezes acariciava meu cuzinho. Eu queria que ele me comesse mas tinha medo; quando ele começou a direcionar seu pau para a minha rachinha eu pedi a camisinha mas ele disse que não precisava por que tinha operado. Eu iria perder meu cabacinho naquela hora, não coseguiria resistir. Ele tentou enfiar e não conseguiu; então me pôs de quatro, pediu que eu salivasse bem o seu pau, se acomodou em minhas costas e forçou. Senti muita dor e tentei escapar mas ele me segurou firme e empurrou. O cabeção passou, rompendo o meu himem e ele começou a fazer um vai e vem enlouquecedor. A cada estocada ele entrava um pouco mais, estava me arrombando mas, apesar da dor, eu queria mais. Estava muito doida de tesão. Acho que não havia entrado nem a metade quando ele disse que ia gozar que queria fazer isso na minha boca. Tirou de dentro e eu meti a boca com vontade no cabeção vermelho. Quase me afoguei em tanta porra mas adorei. Eu estava completamente entregue àquele homem. Na manhã seguinte e várias vezes por dia até à chegada da minha amiga e de sua mãe, ’seu’ Jorge me comeu, me arrombou de todos os jeitos e me fez sua ninfeta particular. Depois das férias no sítio, passamos a foder regularmente, eu não conseguia viver sem aquela pica. Tempos depois arrumei um namorado mas ’seu’ Jorge comtinuou me comendo. Ele me faz muito feliz ainda hoje, embora nossos encontros sejam bem mais raros.

Fonte: acervodecontos.com
O patrão ficou maluco!
Cupom de desconto do novo parceiro do ProjetoPornô: P10D2AAP
Acesse www.produtosimportadosbr.com.br e aproveite o nosso desconto!


views 3204


tags:

teen 

novinha 

ninfeta 

virgem 

virgindade 

inexperiente 

coroa 

velho 

punheta 

bronha 

beijo 

xaninha 

apertada 

gozada 

melada 




Novidades:




  Contos Eróticos Relacionados

Na minha mente, tudo o que aconteceu antes

Eu vou me decepcionar depois de tantos anos pensando nisso e tendo essas conversas com ele. E a pegada dele? Pronto, sem calcinha.

views 1480

A piriguete do funk - Parte 3

Quando entramos ele já colocou o cacete pra fora da bermuda. Nossa! Tava muito duro! E como era grande aquela...

views 3138

Brincando de esconde-esconde - Parte 3

Eu, como eu sempre gostei de mamar num cacete, estava adorando assistir os dois daquele jeito. Minha calcinha toda...

views 4194

Brincando de esconde-esconde - Parte 1

Ele também não perdia tempo e levantou a minha sainha e continuou esfregando aquela mastro negro que já tava...

views 5195

Namoradinha levada!

Deitamos na cama e já fui tirando sua roupa e beijando seu peitinho lindo, todo durinho...

views 2019
 
 
Parceiros & Links Recomendados Recomendados!

1. 2. 3. 4. 5.
6. 7. 8. 9. 10.
11. 12. 13. 14. 15.
16. 17. 18. 19. 20.
21. 22. 23. 24. 25.
26. 27. 28. 29. 30.
31. 32. 33. 34. 35.
Videos De Putaria     KiNovinhas     http://www.rodiziodegatas.net/     CNN Sexo     xvideos porno     Novinha Tesuda

> Xvideos Pornos        > Só Putinhas        > Brasileiras Putas        > Mulheres a foder

> Comendo sua Mãe        > Gatas Quentes        > Portal da Putaria        VAZOU NO WHATSAPP


*ATENÇÃO: Clique aqui para entrar em contato conosco para denunciar um site acima que tenha conteúdo ilegal/malicioso ou contaminado!
> Clique Aqui e cadastre-se para se tornar um Parceiro do Projeto Pornô® <
 
 
    porno     pornô     videos porno     fotos eroticas     sexologia     contos eroticos     gostosas     novinhas

    amadora     xoxota     buceta     atriz porno famosa     sexo oral     bunda     traição     bundas

    xoxota     sexo oral     putaria     bucetas     porno    bucetinhas    contos eróticos
 
Violência Contra a Mulher: DENUNCIE! Todos Contra a Pedofilia!
Site Proibido Para Menores de 18 anos! Site Proibido Para
Menores de 18 anos!
Copyright © ProjetoPorno.com.br, Todos Direitos Reservados  -  Contato   Retirar Conteúdo
Melhor Visualizado na resolução: 1024 x 768 px.